Técnico Fábio Lemes explica como dever ser um treinamento de Força e Economia de Energia na natação

Fábio Lemes, 30 anos, Educador Físico, especializado em Fisiologia do Exercício e Prescrição do Exercício. Treinador no Clube Ítalo, Vitória ES. Ex-atleta de natação competitiva por 15 anos, Campeão de Categoria inúmeras vezes, medalhista do Campeonato Brasileiro Absoluto, recordista paulista, recordista regional. Treinador dos nadadores Alan Vitória, Felipe Messias, Filipe Medeiros e da triatleta Carolina Sardinha.


Após o último artigo muitos perguntaram-me: “Como faço para ter uma natação forte, manter o mesmo tempo que faço de costume gastando menos energia?” Ou seja, a dúvida geral era como seria possível sair menos cansado da primeira modalidade de uma prova de triathlon, porém bem posicionado com relação aos demais participantes.

Para darmos continuidade a nossa conversa, precisamos definir alguns pontos, conforme a seguir.

Economia de energia não significa natação mais lenta e cansaço menor e, sim, natação com ritmo forte gastando menos energia, o que se aplica para todos os tipos de atletas, sejam nadadores antigos ou que aprenderam a nadar recentemente. Para que isso seja possível, é necessário desenvolver e aplicar a força nos pontos corretos com a técnica correta, metodologia inteligente que aplico durante nossos treinos (os treinos que ministro para minhas turmas de triathlon e natação).

Para respondermos a pergunta inicial, vamos falar da relação do treinamento de força e a economia de energia. Para facilitar nossa leitura, definiremos força como sendo a capacidade de superar a resistência externa à custa dos esforços musculares (VERKOSHANKY, 2001). Considerando essa definição, as vias energéticas estimuladas são a ATP-CP e a glicólise anaeróbica, tendo o movimento de força duração aproximada de até 20 segundos. Este é o sistema de energia imediata do corpo que predomina em esforços explosivos, ou seja, movimentos que necessitam de rapidez e força.

No trabalho de força ocorrem adaptações neurais que aumentam o recrutamento de unidades motoras que, dessa forma, desenvolvem a coordenação intermuscular. A ativação neural aparece como o mecanismo responsável pelo ganho de força muscular, que acontece quando se inicia um treinamento de força, não havendo relação com a hipertrofia das fibras musculares.

Sendo assim, trabalhe a força com exercícios de no máximo 20″ e muita intensidade para que você “convide” mais músculos para exercer os movimentos necessários (coordenação intermuscular). Assim você terá uma melhora na sua consciência corporal, o que o levará a utilizar a força e os músculos corretos durante o nado, evitando o desperdício de energia e, consequentemente, reduzindo o cansaço.

No treinamento de triathlon do Clube Ítalo Brasileiro realizamos diariamente o desenvolvimento de técnica logo após a sessão de força, ou então os dois treinos mesclados, para que o atleta possa treinar o desenvolvimento da técnica após o trabalho neuromuscular, que terá provocado a ativação neural. Isso faz com que o nado de nossos atletas fique econômico devido a utilização correta, na intensidade e quantidade, dos músculos que foram “recrutados” durante o treinamento de força.

COMPARTILHAR