FERNANDO ARANHA, PARATRIATLETA NOS JOGOS PARAOLÍMPICOS RIO 2016

Foto: Fabiana Stig

CONHEÇA O PARATRIATLETA BRASILEIRO QUE PARTICIPARÁ DOS JOGOS PARAOLÍMPICOS RIO 2016.

Os Jogos Paraolímpicos, também chamados de Paralímpicos, se trata do maior evento esportivo mundial envolvendo pessoas com deficiência, seja esta física, visual ou mental. Os jogos foram realizados pela primeira vez em 1960, em Roma, Itália. E sempre ocorrem após os Jogos Olímpicos, na mesma cidade e utilizando as mesmas instalações, com exceção de 4 edições (1968, 1972, 1980 e 1984).

Na edição de 2016, haverá a estreia do triathlon, num percurso de 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida. Existem cinco classes no paratriathlon, mas, nos Jogos Rio 2016, haverá disputa de três classes no masculino (PT1, PT2 e PT4).

As provas serão disputadas no Forte de Copacabana, com largada às 10h, sendo a masculina realizada no dia 10/09/2016.

O Brasil contará com 2 representantes: Fernando Aranha e Ana Raquel Lins. Conheça o nosso representante masculino.

FERNANDO ARANHA, 38 anos, nasceu em São Paulo. Quando criança, Fernando e seus irmãos foram retirados de sua família por questões financeiras, sendo encaminhado ao Pequeno Cotulengo, em Cotia, onde mora desde então. Quando estava com 4 anos, foi acometido pela poliomielite, o que resultou em sequelas e desencadeou uma deficiência física nos membros inferiores.

Quando jovem, sempre buscava desafios, e, quando contava com 16 anos de idade, ficou sabendo de um grupo de atletas que jogava basquete sobre rodas no Ibirapuera. Sem dúvidas ou receios, pulou os muros do internato e foi ao tal treino. E, por aproximadamente um ano e meio, continuou pulando os muros todos os sábados para treinar basquete. Posteriormente, treinou atletismo numa cadeira de rodas de corrida e, sem muitas pretensões, se inscreveu para São Silvestre em 1999. Para sua surpresa, venceu a competição.

“Do basquete para o atletismo, foi um salto importante, pois descobri que amava estar nas ruas e não apenas numa quadra. Mesmo amando o basquete, decidi me dedicar mais ao atletismo. Disputei vários campeonatos, comecei a treinar com uma cadeira de atletismo e assim descobri que poderia ir além das quadras e corridas de rua. Fiquei encantado com a handbike me tornando o precursor da modalidade no Brasil. Entre estudar, trabalhar e treinar, incluía também as competições nacionais e internacionais. A fórmula para chegar ao triathlon foi fácil, porque já sabia correr e pedalar, só faltava aprender a nadar. Fui aprender a nadar e me apaixonei pela modalidade!”

Fernando compete na classe PT1, realizando parte do ciclismo com uma handcycle e a da corrida numa cadeira de rodas própria para corrida. Ao ser perguntando sobre os Jogos Paralímpicos 2016, conta que treinou e competiu bastante para garantir a vaga.

“Valeu cada dia pra chegar até aqui. Ainda tenho pela frente alguns dias para continuar os preparativos. Uma coisa é certa, ser convocado para representar meu país em casa, é uma imensa alegria, porque tenho me dedicado para dar o meu melhor e a cada dia descubro que posso ir além. Expectativa? A melhor possível!”

Além de um vasto currículo, incluindo títulos em provas de Pan-americano, Copa do Mundo, Campeonato Brasileiro, Fernando Aranha foi eleito o melhor atleta de triathlon em 2015 pelo Comitê Paralímpico Brasileiro.

“Agradeço aos meus técnicos Martinha Izo e Tiago Gorgatti; à academia Bodytech, que tem me apoiado desde o início; à Prime Esportes; ao Instituto Entre Rodas e Batom, onde tenho um projeto voltado para as crianças com deficiência e à Fit Brasil Gourmet.”


Por Hellen Fante, advogada e triatleta amadora.

COMPARTILHAR