Dor Lombar – Saiba as causas e como evitar

Suas costas doem durante o ciclismo ou durante a transição para a corrida? Acredite, você não precisa conviver com isso!

A dor nas costas é muito comum e atualmente é uma grande preocupação dos órgãos de saúde no mundo. No esporte, estudos mostram que pessoas que pedalam 160km ou mais possuem até 3,6 mais chances de desenvolver dor lombar se comparados a indivíduos que não realizam um volume tão grande desta modalidade. Mas, o que podemos fazer para evitar essas dores?

Apesar de comum, dificilmente essas dores afastam os triatletas da prática esportiva, pelo menos no início, até que esta se torne um problema que não pode ser ignorado. “Em minha prática clínica percebo que muitos triatletas continuam os treinamentos mesmo com dor nas costas e eu não os vejo na clínica até que a dor desenvolva um problema mais grave e afete não só a região lombar, mas também as pernas, prejudicando assim quase que todo o seu treino ou prova”.

Apesar de todos os mecanismos possíveis, a causa mais aceita hoje para as dores nas costas em triatletas é a sobrecarga, a qual acontece principalmente durante a posição mais aerodinâmica no ciclismo. Ao mesmo tempo, a transição para a corrida também é um momento crítico. Devido ao tempo prolongado em uma mesma posição, a mudança para a postura em pé exige que todas as articulações e músculos de nossa coluna funcionem em conjunto, o que muitas vezes não acontece e como resultado provoca dor. Como ponto de partida, já vale a pena destacar a importância de um bom ajuste na bike.

Outro fator importante é a postura sentada, tão comum para grande parte da população hoje durante sua rotina diária. Então, realizar pequenas pausas ao longo do dia, adotando uma postura em pé pode colaborar para uma melhor saúde da sua coluna.

Apesar desses cuidados a sobrecarga pode ser maior se o praticante apresentar pequenas alterações, como limitação de estabilidade e mobilidade. Veja algumas estratégias que podem colaborar para redução das dores nas costas:

Força de CORE

Triatletas podem ser extremamente preparados, mas ainda sim, funcionalmente fracos, principalmente na região central do corpo, conhecida como CORE. A fim de desenvolver um fortalecimento eficaz para esta região, ao invés de fazer abdominais, se preocupe em realizar exercícios conhecidos como pranchas estáticas, em diversas posições, como frontal e lateral, com apoio de cotovelos e de mãos. Estudos mostram que indivíduos que realizaram fortalecimento através de exercícios abdominais e não pranchas tiveram maiores chances de desenvolver dor lombar.

Flexibilidade:

Você não precisa ser nenhum atleta super elástico, mas evitar desequilíbrios de comprimento muscular é essencial, principalmente dos músculos posteriores de coxa (isquiotibiais) e os flexores de quadril (ílio-psoas e reto femoral).

Mobilidade

Apesar de essencial, mobilizar sua coluna em excesso também pode provocar algumas alterações, assim, procure o acompanhamento de um fisioterapeuta para identificar se é necessário a mobilização da sua coluna lombar ou não.

Embora a dor nas costas seja comum, não significa que ela não merece sua atenção. Afinal, de nada adianta um motor potente se você tiver uma capacidade limitada de se manter saudável.


Por Dr. Gustavo Meliscki, doutor e mestre em clínica médica, fisioterapeuta do Team Sesi. Instagram: @meliscki_fisio

COMPARTILHAR