O triathlon não é um esporte popular no Brasil, porém estamos acompanhando um grande aumento de praticantes, principalmente em provas de longa distância como o Ironman. Imagina se tivéssemos a mesma quantidade de praticantes adultos na base, possivelmente o triathlon brasileiro seria outro cenário mundial. 

Olhando para a experiência estrangeira, como as competições infanto-juvenis nos Estados Unidos, o circuito IronKids National Triathlon Series anunciou 25 competições nos Estados Unidos em 2011. Em algumas delas foram esperadas cerca de 1.500 crianças e adolescentes. Este mesmo dado de 2011, segundo a USAT, contava com 42.626 crianças e adolescentes entre seus membros.

Percebe-se, então, um cuidado no fomento do esporte, facilitando a prática do adulto triatleta, além de revelar talentos. Mas no Brasil, como devemos proceder para evitar a chegada tardia do atleta ao triathlon?

É sabido que a normalidade dos atletas de triathlon no Brasil é fruto da migração de alguma das três modalidades, daí, como óbvio, há um começo tardio no triathlon, por consequência, ocorre uma produção de poucos atletas no alto rendimento. A possibilidade de se começar cedo diretamente no Triathlon é uma tarefa difícil, mas com paciência, metodologias inteligentes e segurança é possível. A experiência estrangeira já mostrou isso.

Hoje, o Triathlon de base no Brasil é feito por poucos programas sociais e e em poucos clubes privados, que, por vezes a pressão de pais e diretores acabam condenando o atleta já na base, aplicando treinos que deveriam ser feitos no alto rendimento, fazendo com que a desistência seja bastante alta.

O segredo para um início cedo no triathlon é um programa de natação infantil que possibilite à criança pensar a prática do triathlon em um futuro próximo. A natação visando o triathlon inclui a formação global de um nadador, como o aprendizado dos 4 estilos, saídas e viradas, mas com a implementação de elementos usados no triathlon, tais como a natação no mar, contorno de boias entre outras formas de plantar uma semente para o início da modalidade.

Dentro do programa de natação,  atividades lúdicas fora do contexto da piscina, ajudam no desenvolvimento motor possibilitando que a corrida comece a ser implantada nos jovens. A bike, nesse início, é de suma importância o envolvimento da família e dos pais como “professores” no aprendizado do andar de bicicleta.