Sabia que utilizamos cerca de 10% da nossa capacidade pulmonar, apenas?

Pense em tudo o que você realiza no seu dia: trabalho, esporte, lazer … E quanta energia você dispende para tudo isso. Como você fica no final do dia?

Agora imagine quanta energia sobraria se você simplesmente utilizasse 100% da sua capacidade pulmonar?

A bioenergia captada através dos respiratórios é uma das nossas principais fontes de energia, junto com o alimento e a água.

Embora possamos ficar meses sem comer e dias sem tomar água, não conseguimos ficar nem alguns minutos sem respirar (salvo atletas de apneia que aguentam bem mais do que nós, reles mortais).

TREINAMENTO ADEQUADO

Um treinamento adequado e uma reeducação respiratória é tão importante para um atleta que busca melhorar o rendimento, quanto o treino da modalidade em si.

Precisamos oxigenar nossos músculos para aumentar a performance, diminuir a fadiga (ou aumentar o tempo até que ela chegue) e evitar lesões.

Ao praticar atividades físicas, nossas células consomem mais oxigênio e produzem mais gás carbônico. Para eliminarmos esse excesso de CO2, respiramos mais vezes, sobrecarregando o sistema respiratório. Quanto menos treinados seus músculos inspiratórios forem, mais rapidamente poderão fadigar!

Quando a musculatura respiratória passa por um programa de treinamento, torna-se mais forte e resistente à fadiga, retardando o disparo do metaborreflexo (comando nervoso para passarmos a diminuir o ritmo dos exercícios antes de chegarmos no limite do “stress”) e proporcionando ganho de performance.

BENEFÍCIOS

Há vários estudos que demonstram aumento considerável no rendimento de performance de atletas, após iniciarem treinamentos respiratórios, conforme abaixo:

  • Ciclismo: ganho de até 4,6% no tempo de prova• Corrida: ganho de até 2,1% no tempo de prova
  • Natação: ganho de até 1,5% no tempo de prova
  • Ganho de 7% na recuperação em sprints repetidos
  • Aumento de 16% na resistência em sprints

E não para por aí, também ficou demonstrado cientificamente a importância da respiração na redução da produção de lactato e aceleração na eliminação do mesmo nos músculos.

Outros resultados significativos foram apurados em esportistas que tinham em seu treinamento técnicas respiratórias, como por exemplo:

  • Melhora geral no desempenho;
  • Redução da sensação de esforço e cansaço;
  • Maior resistência e força dos músculos inspiratórios;
  • Aumento da capacidade de retomada (“sprints”).

E então, vamos respirar?